Primeiro dentinho é especial!

20120831-063536.jpg

20120831-063520.jpg

Assim como nos estrangeiros ocidentais temos algumas superstições com o primeiro dente que cai da criança; como colocar embaixo do travesseiro para a fada dos dentes vir, ou fazer um pingente com o dentinho para a mamae usar. Os japoneses também tem a superstição de guardar o dentinho para dar sorte ou joga-lo em um jinja (templo ) para pedir proteção pois este é um sinal de que a criança já esta prestes a entrar na primeira serie, oque por aqui é um marco muito importante na vida do indivíduo e da família !

Este é um templo especifico para isso, mas pode ser em um próximo a casa da pessoa!!

20120831-063553.jpg

20120831-063615.jpg

20120831-063629.jpg

Achei estes “porta primeiro dentinho” e me lembrei de uma amiga que comentou sobre jogar no templo20120831-060357.jpg

20120831-060325.jpg

20120831-060245.jpg

20120831-063834.jpg

20120831-063907.jpg

20120831-063848.jpg

20120831-063940.jpg

Anúncios

O-bon tradições (feriado de finados no Japão)

Fiquei muito curiosa com as lendas/tradições que envolvem o O-bon (feriado de finados no Japão )
Principalmente com as lanternas e legumes espetados com hashi ( os pauzinhos usados para comer).

20120811-070217.jpg
Como você pode ver, o pepino ea berinjela foram perfurados com um pauzinho de madeira quebrada. Eles, então, colocam fora da casa. Se não estou enganada, o pepino é o símbolo de um Cavalo, enquanto a berinjela é uma vaca. Eles vão colocar o “cavalo” fora de sua casa durante o dia inicial do festival, e a ‘Vaca’ no final do festival. A razão é que eles querem seus que seus ancestrais venham do céu para sua casa rápido, para isso os espíritos precisam de algo rápido para levá-los. Então, eles tiraram o cavalo. Colocam a vaca, (as vacas são mais lentas do que cavalos). O que significa que, eles querem um adeus lento. Que os seus antepassados ​​subam de volta para o céu lentamente. Cada vez me encanto mais com o Japão e suas tradicoes bonito não é? No primeiro dia de O-bon, lanternas são acesas dentro das casas, na frente de um altar budista cheio de comida, incenso e a foto dos falecidos.

20120811-071714.jpg
Neste primeiro dis as pessoas vão para a sepultura da família para chamar os espíritos de seus ancestrais de volta para casa. Chama-se mukae-bon (迎え 盆). Em algumas regiões, os fogos chamado mukae-bi (迎え火) são acesas nas entradas das casas para guiar os espíritos.

20120811-072330.jpg

20120811-072510.jpg
No último dia, as pessoas trazem espíritos do antepassado de volta para a sepultura, colocando as lanternas penduradas e pintadas com o brasão da família a orientar os espíritos. Chama-se Okuri-bon (送り 盆).

20120811-072907.jpg

20120811-072930.jpg
Em algumas regiões, os fogos chamado Okuri-bi (送り火) são acesos nas entradas de casas para enviar espíritos dos antepassados.
Durante O-bon, o cheiro de Senko (Incensos japoneses) preenche as casas japonesas e cemitérios. Toro Nagashi (lanternas flutuantes) é uma tradição, muitas vezes observados durante Obon. As pessoas enviam os espíritos de seus antepassados com as lanternas, iluminado por uma vela dentro e flutuam em um rio para o oceano.

20120811-073713.jpg

20120811-073728.jpg

20120811-073741.jpg

20120811-073755.jpg

Bom meninas e meninos é isso então ! Vale lembrar que eu sou uma mera admiradora da cultura japonesa e os dados colocados aqui tem fonte sites japas e de minhas conversas com obachians e ojichians!!!
Beijokas e luz a todos!!! Ótimo feriado

O-bon – Dia dos mortos (finados no Japão )

20120810-191115.jpg

No Japão enquanto nos brasileiros esperamos ansiosamente pelo feriado de agosto para irmos a praia, piscinas, rios e lagos (é verão)
Os Japoneses se preparam para receber os mortos! É isso mesmo! Nos dias do feriado eles aguardam para passar com seus entes queridos que já partiram…
Neste feriado que ocorre em meados de agosto. Acredita-se que os espíritos das pessoas queridas que já morreram voltam aos seus lares nessa época.

20120810-191100.jpg
Tanto as casas quanto os túmulos são limpos e é servida uma alimentação especial a estes espíritos.
Ocorrem muitos eventos nesta época, como os festivais de danças bon e de fogos de artifícios.

20120810-211314.jpg
O Bon Odori (em japonês O-bon お盆 ou simplesmente Bon 盆), é um feriado budista japonês em honra aos ancestrais mortos.
Este festival tem se tornado um reunião familiar na qual as pessoas dos grandes centros voltam à suas cidades de origem para visitar e limpar as sepulturas de seus ancestrais. Tradicionalmente inclui danças típicas. Este festival já existe no Japão por mais de 500 anos

Hariko Inu – Cães nossos fieis guardiões !

20120606-155049.jpg
O Amor é uma doação maravilhosa que nos engrandece e, nos livra dos sofrimentos, tendo a dádiva Divina de funcionar sempre pois, havendo o Amor, o Ódio fica em outros planos!
Dias atras conheci uma família linda, um casal e um bebe muito amado! Ela brasileira, ele japones e o bebe é um lindo cachorro da raça Shih-Tzu, esse da foto acima, o nome dele eh Koro! Observando o amor dessa família fiquei pensando sobre o amor e sobre uma lenda japonesa
Hariko Inu!
Os japoneses, antigamente, acreditavam que os cães sentiam a presença dos onis (demónios). Os Onis infiltravam-se nas terriolas disfarçados em forma humana para praticar o mal.

Os cachorros, no Japão, são os protectores das crianças.. segundo uma crença popular!

O Hariko Inu é um talismã antigo, ainda, muito usado nos dias de hoje.

Este talismã, é um cachorrinho feito em papel machê (massa feita com papel picado embebido na água, coado e depois misturado com cola e gesso) que depois é pintado com cores garridas!

Este talismã traz boa sorte, protecção e saúde!! As mães, quando vão dar à luz e depois quando o trazem para casa, colocam o Hariko Inu a enfeitar o quarto. Assim, o bebé/criança cresce com saúde e está sempre protegida dos demónios.

20120608-023503.jpg
lenda do Hariko Inu:

“Durante sua peregrinação na ilha de Shikoku, o monge Kukai passou a noite na cabana de um lavrador. O dono da casa era um senhor muito amável e o hospedou com grande alegria e cordialidade. Kukai, então, disse que gostaria de recompensá-los pela hospedagem e pediu que dissessem como ou quanto deveria pagar.

O lavrador recusou pagamento, mas, devido à insistência do monge, disse que gostaria de receber um amuleto e justificou:

– Nós não tivemos sorte com o tempo nesses últimos anos. Nossa plantação de arroz tem sido devastada por javalis selvagens e, quando os cachos de arroz estão madurando, são devorados pelos pássaros. Sem dizer que, às vezes, existem secas em época de crescimento ou enchentes antes da colheita.

O monge, então, rabiscou alguma coisa em um pedaço de papel, depois dobrou-o cuidadosamente em forma de envelope. Essa dobradura foi pregada na porta do celeiro.

Naquele ano, a colheita foi normal, nenhuma intempérie veio a prejudicar a boa safra. No ano seguinte, a mesma felicidade. Os agricultores festejaram a boa colheita com um festival de tambores e danças. No terceiro ano, a mesma coisa.

20120608-023641.jpg
O agricultor e a esposa estavam muito felizes com a simpatia que o monge Kukai havia lhes presenteado. Porém, durante os três anos a curiosidade foi crescendo, crescendo e até que, não agüentando mais, abriram o papel para ver o que o monge havia rabiscado ali.

20120608-023740.jpg
Não deu tempo de o casal ver o que estava escrito no papel. Bastou começar abrir a dobradura e um cachorro pulou para fora do papel. O cachorro sumiu, nunca mais voltou, e ninguém sabe para onde ele foi. O papel estava em branco, mas o lavrador e sua esposa haviam visto Kukai rabiscar alguma coisa nele. Desde então, a colheita não foi mais boa. Como se houvesse perdido a proteção divina, a plantação de arroz passou por toda sorte de dificuldades, até mesmo ataque de insetos.

O pessoal da aldeia raciocinou que o cachorro estava protegendo a casa e a plantação de arroz. E, desde então, passaram a confeccionar pequenos cachorros de papel machê, para ficar de guarda, protegendo a casa e as crianças enquanto os pais trabalhavam na roça.

Restou a curiosidade do povo. Alguns disseram que o monge teria escrito simplesmente a palavra inu (cão); outros disseram que ele fez desenho de um cachorro, pois, além de monge, calígrafo e poeta, era excelente desenhista. Há também estudiosos de seitas que afirmam que Kukai escreveu Inukami, que pode ser traduzido como “deus cão” (inu=cão e kami = deus). Uma vez que papel também é kami em japonês, quando o casal abriu a dobradura, a palavra ganhou vida e materializou-se em animal. ”

20120608-023822.jpg
Fonte da lenda site Clube do Akita.

A beleza da Sakura さくら

Finalmente chegou a primavera no Nihon, e com ela as maravilhosas Sakuras que como diz uma amiga ¨Já estão pipocando por todo lado!¨

Eu amo esta época do ano onde as esperanças se renovam com o fim de um inverno rigoroso as delicadas flores de cerejeira desabrocham lindas por todo lado! Proporcionandoum dos maiores espetáculos da natureza no arquipélago. As flores de sakura avançam a partir do sul do país e anunciam: é hora de sair com a família e os amigos para se divertir e apreciar a paisagem.

No auge do florescimento, pétalas brancas e rosadas caem das cerejeiras do Parque Dogokoen, en Ehime, construído em 1887A partir do mês de março, quando começa a primavera no hemisfério norte, o Japão é tomado por flores rosadas. São as sakura, flores de cerejeira. Elas começam a desabrochar nas árvores no sul do Japão, em Okinawa, e vão em direção ao norte, até Hokkaido. O fenômeno, que dura dois meses e se “move” como uma onda, é chamado Sakura zansen e significa, literalmente, linha de frente das cerejeiras. Os grandes apreciadores da flor fazem roteiros turísticos que acompanham a transformação da paisagem.

Há muitos séculos a cerejeira é celebrada extra-oficialmente como flor nacional do Japão – ou ‘Sakura’, como ela é chamada na terra do sol nascente. O simbolismo dessa flor integra toda a flora japonesa, e é o símbolo maior de felicidade.


Dizem os antigos, também, que uma das maiores honras para um samurai (ou outra pessoa de um nível social mais baixo) era morrer em um campo coberto por pétalas de cerejeira.

E é por isso que as folhas de cerejeiras possuem um simbolismo tão especial – mesmo nos animes e mangás. Chuvas de pétalas de cerejeiras têm o poder de coroar momentos de felicidade, ou mesmo combates belíssimos, onde somos remetidos à honra dos combate dos antigos samurais.

A flor de cereja é caracterizada freqüentemente em tatuagens que retratam contextos orientais.
O desenho da flor de cerejeira tem seu significado no Bushido, o código dos samurais. O florescer da árvore de cerejeira é a mais pura manifestação de beleza na cultura japonesa, entretanto a flor se enfraquece rapidamente e é espalhada pelo vento.
A essência de Bushido, ou o Modo do Guerreiro, o verdadeiro Samurai vive se conhecendo diariamente. O lema de um samurai é, “Viva o presente sem medo”.
A flor de cereja como desenho de tatuagem é uma lembrança poderosa que a vida é passageira e nós temos que viver o presente e apreciar todo momento vivido. . . ”

Beijokas e Luz!

Furin 風鈴

 

São os pequenos sinos decorativos que soam com o movimento do vento.

São feitos de metal, bambu, cerâmica, ou porcelana e ficam suspensos nos galhos das árvores, beirais das casas ou sacadas dos edifícios.

Os sinos são feitos com uma estrutura na qual pode ser pendurado em fios um grande número de materiais, próximos o suficiente para que se entrechoquem quando a circulação do ar no local provocar movimento. Usados em diversas regiões do Oriente com o objetivo de afastar os “maus espíritos” ou trazer sorte, passaram a ser utilizados na música ocidental por sua sonoridde suave, indefinida e esporádica.

Nesse caso são movimentados por meio de ligeiros toques de mão, imitando-se o que seria feito naturalmente pelos movimentos do ar. Os instrumentos são chamados de “sinos” acompanhado pelo nome do material usado, sendo os mais comuns os “sinos de bambu”, “sinos de metal”, sinos de vidro” e “sino de conchas”. São conhecidos como “wind bells”, “iron pipes”

A peça de papel pendurada sob o sino, na qual pode trazer a inscrição de um poema ou dizeres de proteção, ao ser soprada pelo vento provoca o tilintar dos sinos. É originário do Japão e serve para indicar a chegada do verão e chamar o vento. Também se acredita que o seu som atrai sorte e felicidade.

É um som típico de verão ao provocar a sensação frescor da brisa.
Nos últimos anos, as técnicas de fluxo de energia aplicadas pelo Feng Shui têm provocado a demanda por esses pequenos sinos, agora montados formando um conjunto com uma variedade de sons e desenhos.

 

Tem tb algumas flores que são chamadas de furin por parecer com sinos  ou a Fuurinbussouge (フウリンブッソウゲ)que tem a forma igualzinha aos feitos com o papel penduradinho!

Nas escolas as crianças tb aprendem a fazer este sino com varios tipos de materiais e formatos

Beijokas e luz a todos!!!

Lendas Japonesas Konohana Sakuya Hime 木花之開耶姫

 

 

Envolta em nuvens, eis Konohana Sakuya Hime, divindade residente do Monte Fuji. Na mão direita, leva um espelho, símbolo xintoísta de pureza. A mão esquerda segura um galho de sakaki, árvore sagrada com poderes sobrenaturais. Sakuya Hime enfeita o cabelo com uma graciosa tiara em forma de borboleta.

Seu imaculado vestido branco está representado no estilo característico de Hokusai, num drapejado delirante de traços marcados.
Já no nome, a deusa está vinculada com a natureza e, em especial, a fertilidade: Konohana Sakuya Hime significa “Princesa do Florescimento das Árvores”. No Kojiki — obra que narra a teogonia das divindades japonesas, escrita no século VIII —, ela faz sua aparição no capítulo XLI, parindo o filho num castelo consumido pelo fogo.


As areias do tempo passaram e, na era medieval (séculos XIV a XVI), Sakuya Hime passou a ser associada ao Fuji, por meio de tradições folclóricas não registradas nos autos.
Há muito que o Fuji era relacionado com personagens femininas. A Crônica do Monte Fuji (Fugaku ki, c. 877), por exemplo, narra a aparição fantástica de duas mulheres vestidas de branco próximo ao cume, e as Narrativas do cortador de bambu (Taketori monogatari, mesmo período) conclui com a heroína celestial retornando aos céus exatamente sobre o Fuji.
Kaguya Hime era mulher.

Além disso, sobreviveu num castelo em chamas. Portanto, era a candidata ideal para habitar o vulcânico Fuji. Sua associação com a fertilidade provavelmente surgiu depois: os agricultores empregavam flores em seus rituais para pedir aos deuses que abençoassem as colheitas. Então, os fazendeiros do sopé do Fuji uniram o útil ao agradável e incluíram Sakuya Hime em suas preces, erigindo santuários em sua honra.
No período Edo, a divindade tornou-se uma das principais figuras do culto ao Monte Fuji, o Fujikô.

Outros dizem que esta Deusa, cujo longo nome significa “Senhora que faz as árvores florescerem”, era filha do Deus das montanhas e irmã da Deusa das pedras, ela mesma regia a Terra, a natureza, o fogo e as cerimônias.

Uma forma alternada é Kaguya-Hime-No-Mikoto,a princesa lunar, seu nome significa “beleza e brilho”, e seu dom para a humanidade foi a árvore e o aroma de canela.

Dizem que neste dia se acenda um incenso de canela e peça à Deusa para que floresça as situações que queira em sua vida e  enfeitar o cabelo com flores de cerejeira neste dia, traz um amor.

 

Entradas Mais Antigas Anteriores